Exportações do agronegócio do Rio Grande do Sul atingem maior valor da série histórica em 2022

Mesmo com a estiagem, vendas do Estado somaram US$ 16 bilhões, alta de 4,4% em relação a 2021

Tempo de leitura: 5 minutos

| Publicado em 10/02/2023 por:

Engenheira Agrônoma | Analista de Mercado

As exportações do agronegócio gaúcho somaram US$ 16 bilhões em 2022, o que representa um aumento de 4,4% em relação ao ano anterior e o maior valor nominal (sem considerar a inflação) desde o início da série histórica, em 1997. As vendas do agronegócio representaram 71,5% do volume exportado pelo Rio Grande do Sul. Em termos absolutos, houve um crescimento de US$ 668,5 milhões. Parte desse valor veio do crescimento de 14,9% registrado no quarto trimestre com a venda de cereais, fumo e carnes.

Em um ano marcado pela estiagem, que afetou a produção de soja, principal produto de exportação, o Estado registrou queda no volume total embarcado (-15,5%), fato compensado pelo aumento nos preços médios dos itens (+23,5%). O desempenho recorde de 2022 foi sustentado pelo crescimento no primeiro trimestre (+72,1%), resultado das vendas de trigo e dos estoques de soja da safra 2020/2021 (não afetada pela estiagem), e no quarto trimestre, com US$ 4,4 bilhões em vendas, o maior valor da série para o período de outubro a dezembro, resultado dos embarques de fumo (US$ 760,2 milhões; +107,4%), cereais (US$ 444,5 milhões; +86,5%) e carnes (US$ 721,3 milhões; +29,5%).

Leia também:

Os dados fazem parte do boletim Indicadores do Agronegócio do Rio Grande do Sul, divulgado nesta quinta-feira (9/2) pela Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão. O documento traz números das exportações e do emprego formal no agronegócio no quarto trimestre e no acumulado de 2022. Ele foi elaborado pelos pesquisadores Sérgio Leusin Júnior, Bruna Kasprzak Borges e Rodrigo Feix, do Departamento de Economia e Estatística da secretaria.

Dos cinco principais setores exportadores do agronegócio, o complexo soja foi o único a ter queda no ano, com vendas totais de US$ 5,52 bilhões, redução de 29,3% na comparação com 2021. Os setores de carnes (US$ 2,75 bilhões; +18,0%), cereais (US$ 1,76 bilhão; +149,7%) e produtos florestais (US$ 1,68 bilhão; +14,1%) registraram os maiores valores da série histórica, enquanto fumo e seus produtos (US$ 2,16 bilhões; +77,9%) teve o melhor resultado desde 2013.

“Considerando a forte quebra de produção na safra 2021/2022, o desempenho não deixa de ser surpreendente. Além da alta nos preços médios, contribuiu para o resultado a expansão nas vendas de um amplo conjunto de setores não diretamente vinculados ao complexo soja”, destacou Leusin.

Recordes por segmento

Em 2022, os números positivos no setor de carnes são explicados pelo aumento nas vendas de carnes de frango (US$ 1,51 bilhão; +28,5%) e bovina (US$ 443 milhões; +43,7%), a primeira com embarques significativos para os Emirados Árabes Unidos, Filipinas e União Europeia, enquanto a segunda apresentou expansão nas compras pela China. As exportações de carne suína tiveram queda de 12,5% (menos US$ 89,1 milhões), fruto da recuperação da produção chinesa após o surto de peste suína africana, que afetou o rebanho do país asiático nos últimos anos.

No setor de fumo e seus produtos, apesar da queda de 14,6% na produção colhida no Rio Grande do Sul, o segmento registrou aumento de 39,4% no volume vendido de fumo não manufaturado, principal produto da pauta, e alta de 82,6% no valor vendido (total de US$ 1,99 bilhão).

Já em relação aos cereais e derivados, o destaque do ano foi a expansão de 260% nas vendas de trigo (mais US$ 674 milhões). O produto, principal cultura agrícola de inverno do Estado, apresentou alta de 182,9% no volume embarcado e de 27,3% nos preços médios em dólar, consequência do cenário internacional marcado pelo conflito entre Rússia e Ucrânia.

O segmento de produtos florestais teve expansão de 14,3% nas exportações de celulose (mais US$ 143,6 milhões), principal produto do setor. No segmento de máquinas agrícolas, as vendas externas registraram o maior valor desde 2011 (US$ 568,3 milhões; + 40,8%), liderado pela comercialização de tratores agrícolas (US$ 290,74 milhões; +22,7%) e colheitadeiras (US$ 139,3 milhões; +137,0%).

No sentido oposto, a redução nas vendas gerais do complexo soja foi puxada pela soja em grão, com redução de 47,5% no valor (menos US$ 2,95 bilhões) e no volume embarcado (-57,6%). Nos demais produtos do segmento, houve aumento nas vendas do óleo (mais US$ 353,7 milhões; +83,8%) e no farelo (mais US$ 310,1 milhões; +26,5%). O resultado foi amenizado pela alta nos preços médios do complexo como um todo (+24,8%), também impactado pelo conflito entre Rússia e Ucrânia e pela queda na relação estoque/consumo global.

Principais destinos e perspectivas

Com a queda nas vendas de soja, a participação da China no ranking dos principais destinos das exportações gaúchas foi menor em 2022. O país asiático foi responsável por 28,5% das compras do agronegócio, enquanto em 2021 esse percentual chegou a 48,6% do total. Isso representa uma queda de US$ 2,9 bilhões em valor. Ainda assim, os chineses seguem na liderança da lista, seguidos pela União Europeia (15,1% do total; mais US$ 716,2 milhões em compras), Estados Unidos (5,0%), Índia (3,7%) e Irã (3,5%).

Para Leusin, 2023 trará alguns desafios importantes para o agronegócio gaúcho. O principal deles é a estiagem, que volta a impactar negativamente o rendimento físico das principais culturas de verão, com destaque para o milho, a soja e a bovinocultura leiteira. “Em um cenário de nova estiagem, a terceira em quatro anos, apesar dos preços ainda em patamares elevados, a situação econômica e financeira dos estabelecimentos agropecuários gaúchos tende a se deteriorar, o que gera um efeito multiplicador negativo para as economias regionais mais dependentes do setor primário”, explicou. E completou: “Com menor disponibilidade de matéria prima agropecuária em 2023, a tendência é a queda na geração de empregos diretos e nos volumes exportados”.

Emprego no agronegócio

Em dezembro de 2022, o Rio Grande do Sul tinha 363.364 vínculos ativos de emprego com carteira assinada no agronegócio, com um saldo (diferença entre admissões e demissões) de 12.104 postos no acumulado do ano. O número é menor do que em 2021, que terminou com um aumento de 18.199 empregos no segmento. O saldo no agronegócio em 2022 representou 12% do total de empregos gerados no Estado, que teve, levando em conta todos os setores da economia, um aumento de 100.773 postos formais.

Se apenas último trimestre de 2022 for considerado, o saldo de empregos com carteira assinada foi de 1.221 postos, número similar ao registrado entre outubro e dezembro de 2021 (1.172 postos). Os três últimos meses do ano são caracterizados pelo maior equilíbrio entre admissões e desligamentos. No conjunto da economia gaúcha, o saldo de empregos foi negativo, com perda de 2.320 empregos formais, uma interrupção na sequência de nove trimestres consecutivos com números positivos.

O setor do agronegócio que mais criou empregos com carteira assinada em 2022 foi o do comércio atacadista de produtos agropecuários e agroindustriais, com um saldo de 2.869 postos. Em seguida, vem o setor de fabricação de tratores, máquinas e equipamentos agropecuários (2.245 postos) e o de produção de sementes e mudas certificadas (2.221 postos). Na ponta oposta do ranking, as maiores perdas de postos de empregos em 2022 foram registradas pelos setores da produção de lavouras permanentes (- 712) e do curtimento e preparações de couro (-698).

“Nas lavouras permanentes, a perda de empregos pode ser associada à quebra da safra em um ano de severa estiagem, enquanto no setor do couro, o saldo negativo está relacionado ao menor dinamismo da produção industrial local”, explicou Bruna.

Como ocorre tradicionalmente, em dezembro de 2022, o setor com maior quantidade de empregos formais no agronegócio foi o de abate e fabricação de produtos de carne, com 67.014 postos, número minimamente superior ao registrado em dezembro de 2021 (67.007), seguido pelo comércio atacadista de produtos agropecuários e agroindustriais, com 48.605 postos. O documento aponta ainda que o valor do salário médio para quem iniciou em um emprego no agronegócio gaúcho em dezembro foi de R$ 1.842,66, alta de 4,7% em comparação com o mesmo mês de 2021.

Notícias Agrícolas

TAGS:

Acesse todos os nossos conteúdos

Publicidade

Publicidade

Seja um assinante e aproveite.

Últimas notícias

plugins premium WordPress

Acesse a sua conta

Ainda não é assinante?