Estado e Embrapa reforçam parceria para desenvolver a pesquisa agropecuária no Paraná

Tempo de leitura: 2 minutos

| Publicado em 08/02/2023 por:

Engenheira Agrônoma | Analista de Mercado

O Sistema Estadual de Agricultura (Seagri) realizou nesta segunda-feira (06) reuniões com dirigentes de unidades da Embrapa, tendo como objetivo reforçar a união na área de pesquisas, com agendas comuns que não se sobreponham e atendam as necessidades mais urgentes da agropecuária moderna. O encontro foi realizado no estande que o Sistema mantém no Show Rural Coopavel, em Cascavel.

O secretário da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, Norberto Ortigara, salientou que o Estado tem muitos desafios e necessidades em relação às pesquisas, mas nem sempre consegue dar as respostas sozinho. “Nós nos impusemos o desafio de nos reposicionarmos no âmbito da pesquisa”, acentuou. “O futuro é o que nos interessa e precisamos ir atrás de parceiros e nos darmos as mãos”.

Leia também:

O presidente do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná – Iapar-Emater (IDR-Paraná), Natalino Avance de Souza, ressaltou o esforço que o Estado tem feito desde 2019, quando decidiu unir a pesquisa e a extensão em um mesmo instituto. “Não é fácil, mas estamos fazendo”, afirmou. “Queremos reforçar a parceria com a Embrapa, ver o que é prioridade para termos uma agricultura de resultado, mas menos agressiva com o meio ambiente”.

Estiveram na reunião os chefes da Embrapa Soja, Alexandre Lima Nepomuceno; da Embrapa Trigo, Jorge Lemainski; da Embrapa Floresta, Erich Gomes Schaitza; e o chefe-adjunto da Embrapa Suínos e Aves, Rodrigo Nicolosso.

“A nossa ideia é nos aproximarmos mais dos estados do Sul”, afirmou Nepomuceno. “Temos disposição para parcerias, pois é o que precisamos para enfrentar os desafios”. As pesquisas da Embrapa Soja têm como base genética avançada, agricultura 5.0, bioinsumos e descarbonização da agricultura.

Em suínos e aves, cadeias na quais o Paraná é referência nacional, a ideia é manter o ritmo de expansão. O Estado conquistou recentemente o status de área livre de febre aftosa sem vacinação, podendo ampliar o mercado internacional dos produtos. “Precisamos estar juntos”, disse Nicolosso. “A ideia é trabalhar de forma mais estreita com o Estado do Paraná”.

Em trigo, as principais pesquisas visam ao ataque mais direto a doenças que prejudicam a produção para que em cinco anos o Brasil seja autossuficiente. “Queremos nos colocar como parceiros para ajudar a resolver os problemas dos estados”, prontificou-se Lemainski. Em floresta, a produção de erva-mate e de pinhões estão entre as prioridades da Embrapa, em ações que se somam às já executadas a nível estadual do Paraná.

Notícias Agrícolas

TAGS:

Acesse todos os nossos conteúdos

Publicidade

Publicidade

Seja um assinante e aproveite.

Últimas notícias

plugins premium WordPress

Acesse a sua conta

Ainda não é assinante?