Economia do Japão tem crescimento fraco no 4º tri mas evita recessão

A economia do Japão evitou por pouco uma recessão nos meses finais de 2022 ao registrar leve crescimento diante de um consumo frágil e depois de encolher no terceiro trimestre, mostraram dados revisados, ressaltando o desafio para as autoridades que tentam ampliar a recuperação.

Tempo de leitura: 2 minutos

| Publicado em 09/03/2023 por:

Engenheira Agrônoma | Analista de mercado

TÓQUIO (Reuters) – A economia do Japão evitou por pouco uma recessão nos meses finais de 2022 ao registrar leve crescimento diante de um consumo frágil e depois de encolher no terceiro trimestre, mostraram dados revisados, ressaltando o desafio para as autoridades que tentam ampliar a recuperação.

A inflação alta recorde e a desaceleração do crescimento global em meio ao amplo aperto monetário em muitos países prejudicaram o renascimento pós-pandemia da terceira maior economia do mundo, apesar do relaxamento das restrições contra a Covid, subsídios de energia e política monetária ultrafrouxa.

Leia também:

As empresas, sob pressão do governo para aumentar os salários para elevar o consumo das famílias, estão lutando para seguir em frente diante da demanda fraca em um momento crucial de negociações trabalhistas.

O Produto Interno Bruto (PIB) do Japão cresceu 0,1% entre outubro e dezembro em dados anualizados, contra uma estimativa preliminar de expansão de 0,6% e muito abaixo da previsão de economistas de um aumento de 0,8% em pesquisa da Reuters.

No terceiro trimestre, a economia havia encolhida 1,1%, em dado revisado.

A expansão se traduz em uma variação trimestral quase estável de 0,02%, mostraram dados divulgados pelo Escritório do Gabinete, contra uma leitura preliminar e estimativa dos economistas de crescimento de 0,2%.

“Houve uma recuperação menos forte nos serviços (gastos), enquanto o aumento da inflação provavelmente também reduziu o consumo”, disse Wakaba Kobayashi, economista do Instituto de Pesquisa Daiwa.

O consumo privado, que representa mais da metade do PIB do país, cresceu 0,3%, mostraram os dados, contra estimativa inicial de aumento de 0,5%.

Os gastos com serviços como restaurantes e hotéis, bem como bens, foram menos sólidos do que o estimado anteriormente, mostraram os dados.

Os gastos de capital caíram 0,5%, inalterados em relação à estimativa preliminar e em comparação com expectativa do mercado de contração de 0,4%, mesmo com dados do Ministério das Finanças na semana passada mostrando um aumento na capacidade de produção dos fabricantes no quarto trimestre.

A demanda doméstica como um todo tirou 0,3 ponto percentual do crescimento revisado do PIB, um pouco mais do que inicialmente estimado, enquanto as exportações líquidas adicionaram 0,4 ponto percentual.

Reuters

TAGS:

Acesse todos os nossos conteúdos

Publicidade

Publicidade

Seja um assinante e aproveite.

Últimas notícias

plugins premium WordPress

Acesse a sua conta

Ainda não é assinante?