Publicidade

Brasil avança em processo para exportar farelo de soja à China

A China é o maior comprador de soja do Brasil, que, por outro lado, sempre enfrentou dificuldades técnicas e burocráticas para entrar no mercado de farelo chinês

Tempo de leitura: 2 minutos

| Publicado em 29/07/2022 por:

Eng. Agrônoma especializada em Administração Agrícola e Comércio Exterior.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O governo brasileiro avalia que a China abriu seu mercado ao farelo de soja do Brasil, mas ainda faltam alguns procedimentos para os embarques efetivamente ocorrerem, disse o Ministério da Agricultura, citando um avanço nas negociações para um comércio longamente esperado.


Ao comentar reportagem publicada antes pelo Estadão, o ministério brasileiro confirmou hoje (28) que o mercado de farelo de soja “foi aberto” pelos chineses, mas disse que “faltam ainda alguns procedimentos operacionais”, como registro de empresas, por exemplo.

Leia também:


A China é o maior comprador de soja do Brasil, que, por outro lado, sempre enfrentou dificuldades técnicas e burocráticas para entrar no mercado de farelo chinês. Historicamente, o maior comprador do derivado de soja brasileiro, usado na fabricação de ração, é a União Europeia.


Procurada, a associação que representa as tradings e processadoras de soja, a Abiove, não comentou o assunto imediatamente.
O ministério brasileiro citou um anúncio durante reunião da COSBAN (Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Coordenação), em 23 de maio, em que Brasil e China estavam “finalizando as negociações para exportações brasileiras de farelo de soja, proteína concentrada de soja, polpa cítrica e soro fetal bovino”.


Durante a cúpula da COSBAN já havia sido anunciada também a conclusão das negociações para exportações de milho e amendoim do Brasil.


Nesta semana, o ministro da Agricultura brasileiro, Marcos Montes, disse que o país está rediscutindo um protocolo sobre embarques de milho com o governo da China para permitir a entrada do cereal no país asiático já neste segundo semestre.


Segundo ele, o acordo inicial previa a exportação de milho brasileiro da próxima temporada, mas novas conversas podem permitir embarques da safra de 2022.

Forbes

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

TAGS:

Acesse todos os nossos conteúdos

Publicidade

Publicidade

Seja um assinante e aproveite.

Últimas notícias

Acesse a sua conta

Ainda não é assinante?