Produtor de soja deveria antecipar compra de fertilizantes para a safra 24/25, diz Argus

Cloreto de potássio está em patamar favorável, enquanto MAP segue estável. Cenário positivo deve mudar a partir do 2º trimestre, diz empresa.

Tempo de leitura: 2 minutos

| Publicado em 06/02/2024 por:

Engenheira Agrônoma | Analista de mercado

A temporada 2023/24 não será recorde. Os cortes de produtividade em Mato Grosso, apenas para citar um exemplo, são severos.

No entanto, o momento é de sacudir a poeira e olhar para a frente. Isso porque o atual cenário mostra que já é hora de abastecer-se de insumos para planejar o ciclo 2024/25. Essa é a avaliação da especialista em agricultura e fertilizantes da Argus, Renata Cardarelli.

Leia também:

“Em 2023, o produtor de soja postergou muito as suas compras de fertilizantes. Já neste momento, vemos que ele pode antecipar essas aquisições já para o primeiro trimestre deste ano porque o preço está favorável, em especial o cloreto de potássio”, conta.

Contudo, ela salienta que os preços dos fosfatados continua firme, ainda mais ao se considerar o MAP.

“Considerando isoladamente o SSP, outro fertilizante fosfatado, pode ser que as compras se intensifiquem neste momento. A tendência que observamos é que o preço do grão não está ajudando muito [a relação de troca]. O que enxergamos é que o produtor reavaliará o cenário para antecipar as suas compras, especialmente de KCL (cloreto de potássio) e de alguns fosfatados”.

Preço dos fertilizantes

Em custos de importação, o MAP está, desde 21 de dezembro de 2023, cotado a 560 dólares por tonelada. “Mas devemos ver um incremento neste preço assim que o exportador se posicionar porque o Brasil deve começar a importar o produto”, considera Renata.

Quanto ao cloreto de potássio, a especialista da Argus sinaliza que está abaixo de 300 dólares por tonelada no mercado de importação.

De acordo com ela, ao se observar a série histórica, os preços deste adubo recuaram significativamente desde o início da guerra entre Rússia e Ucrânia.

“Agora estão mais dentro dos patamares que estamos acostumados a ver, diferente do MAP, que segue firme em 560 dólares por tonelada”.

Renata afirma que o produtor segue apostando em queda de preço de MAP, o que pode ser um equívoco, já que não há fatores que deem espaço para novas reduções deste fertilizante.

Relação de troca com a soja

Ao considerar Rondonópolis, em Mato Grosso, como referência, a relação de troca para este ano é menor: no início de 2023, o produtor necessitava de 16,7 sacas de soja para adquirir uma tonelada de fertilizante, enquanto neste ano iniciou-se com 16 sacas.

“O preço da soja tem caído em proporção maior do que vemos na cesta NPK na região. A tendência é que a relação de troca continue subindo mais um pouco, por isso que o produtor de soja deveria se posicionar e antecipar a compra, mas não é isso que temos visto”.

Canal Rural

TAGS:

Acesse todos os nossos conteúdos

Publicidade

Publicidade

Seja um assinante e aproveite.

Últimas notícias

plugins premium WordPress

Acesse a sua conta

Ainda não é assinante?