Produção de feijão do Distrito Federal é a maior em três anos

Segundo o IBGE, o aumento foi de 50%. O crescimento foi de 16,2 mil toneladas em 2021 para 24,3 mil toneladas em 2022

Tempo de leitura: < 1 minutos

| Publicado em 31/01/2023 por:

Engenheira Agrônoma | Analista de Mercado

Segundo levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), tendo como base o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), a primeira safra de feijão aumentou 50%. O crescimento foi de 16,2 mil toneladas em 2021 para 24,3 mil toneladas em 2022.

Segundo dados da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater-DF), atualmente existem quase 600 produtores de feijão cadastrados, desde o produtor familiar até o empresarial. De acordo com o técnico da empresa, a razão pela qual o grão apresentou alta foi a boa condição climática, além do aumento do preço de outras commodities, o que abriu espaço para o produtor investir na safra de feijão.

Leia também:

“O período da primeira safra trata-se do início do plantio, é a estação das águas, quando as condições climáticas são bem mais favoráveis para tal prática. Geralmente inicia no mês de outubro, seguido por novembro e dezembro”, explica o gerente agropecuário da Emater-DF, Alessandro Rangel. “Como o preço da soja e do milho apresentou uma estagnação com relação à safra passada, muitos produtores resolveram aumentar a área de feijão nesta safra”, contextualiza o técnico.

Com relação ao preço, o gerente agropecuário Alessandro Rangel conta que, no ano passado, a saca de 60 kg era comercializada por volta de R$ 270. “Agora, em 2023, o ano mal começou e a saca está custando por volta de R$ 370”, finalizou.

Canal Rural

TAGS:

Acesse todos os nossos conteúdos

Publicidade

Publicidade

Seja um assinante e aproveite.

Últimas notícias

plugins premium WordPress

Acesse a sua conta

Ainda não é assinante?