Produção brasileira de algodão deve ser a segunda melhor em 20 anos

Clima ajudou no cultivo da pluma; cerca de 92% das lavouras dependem exclusivamente de água da chuva para se desenvolver.

Tempo de leitura: 2 minutos

| Publicado em 04/07/2023 por:

Engenheira Agrônoma | Analista de mercado

Mantendo, basicamente, a mesma área plantada da safra 2021/2022, 1,6 milhão de hectares, o Brasil está perto de confirmar uma produção de mais de três milhões de toneladas de algodão beneficiado (pluma) na safra 2022/2023.

Em 20 anos, a marca foi atingida apenas uma vez, no ciclo 2019/2020. O provável incremento de 20% na colheita será resultado direto do avanço da mesma ordem (19%) na produtividade:

Leia também:
  • 1,84 mil quilos de pluma por hectare, contra 1,54 mil quilos do ciclo anterior.

Clima ajudou o algodão

De acordo com o presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), Alexandre Schenkel, a boa distribuição das chuvas ao longo da safra explica o aumento da produtividade.

Cerca de 92% das lavouras brasileiras dependem exclusivamente de água da chuva para se desenvolver e a tecnologia da irrigação está presente nos demais 8%.

“O produtor usa todas as tecnologias disponíveis para mitigar riscos climáticos, mas, ainda assim, precisamos de chuva na quantidade e no momento certo, para garantir as boas produtividades e  produção. Até o momento, apenas 4% das lavouras brasileiras foram colhidas”.

Mercado interno

Do total de algodão produzido no país, cerca de 650 mil toneladas devem abastecer a indústria nacional.

Tradicionalmente, esse número era em torno de 100 mil toneladas superior ao esperado pela Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), que credita a queda aos reflexos da recessão mundial pós-pandemia.

Segundo o presidente da entidade, Fernando Pimentel, até o momento, o ano de 2023 não foi positivo.

“Tivemos queda na produção da indústria e no varejo, aumento nas importações (de produtos de vestuário), e o dado positivo é que, ainda assim, conseguimos gerar cerca de 5 mil novos postos de trabalho no primeiro semestre”, diz Pimentel.

Para o segundo semestre, a expectativa é melhor. “Precisamos encontrar condições para o Brasil voltar a crescer, atacando firmemente o custo Brasil, a insegurança jurídica, e fazer desse país um bom ambiente para investimentos. Vamos olhar para 2024, na expectativa da consolidação do arcabouço fiscal e do avanço da reforma tributária”, argumenta.

Para 2024, Pimentel afirma que a expectativa é de recuperar as perdas do ano passado e, se possível, ter um consumo aproximado de 680 mil toneladas. “Temos potencial para muito mais”, finaliza o porta-voz da Abit.

Exportações de algodão

Com o mercado interno abastecido, o desafio dos produtores é exportar o excedente de uma safra de grandes proporções, repetindo o sucesso de 2019.

A Associação Nacional dos Exportadores de Algodão (Anea) acredita que as exportações, na safra 2022/2023, devem fechar em torno de 1,4 milhão de toneladas. Os principais mercados para o algodão brasileiro permanecem na mesma ordem:

  1. China
  2. Vietnã
  3. Paquistão
  4. Bangladesh
  5. Indonésia
  6. Turquia

Demanda mundial

Segundo o presidente da Anea, Miguel Faus, a demanda mundial segue fraca. Os estoques intermediários estão elevados, mas a China começa a voltar às compras.

A inflação começa a demonstrar os primeiros sinais de queda nos Estados Unidos, mas, na Europa, ainda está elevada. “O basis do algodão brasileiro segue pressionado para baixo, com a safra cheia no Brasil e na Austrália, disse Faus, lembrando, ainda, o terremoto na Turquia, no início do ano, que atingiu em cheio a indústria turca.

“Os preços da commodity estão variando em torno de 80 centavos de dólar por libra-peso, há seis meses, com tendência de queda”, acrescentou.

Canal Rural

TAGS:

Acesse todos os nossos conteúdos

Publicidade

Publicidade

Seja um assinante e aproveite.

Últimas notícias

plugins premium WordPress

Acesse a sua conta

Ainda não é assinante?