Acesse

Veja as cotações dos mercados abaixo:

Veja as cotações dos mercados abaixo:

Minas Gerais quer fomentar cultivo de arroz de terras altas

No total, dez cultivares comerciais de arroz de terras altas serão avaliadas em 30 propriedades rurais no estado

Tempo de leitura: 2 minutos

| Publicado em 23/10/2023 por:

Engenheira Agrônoma | Analista de Mercado

A Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) iniciou, nesta semana, a implantação de 38 unidades demonstrativas (UDs) de cultivares comerciais e linhagens de arroz de terras altas em propriedades rurais localizadas em 15 municípios do estado.

O objetivo das ações é fomentar o cultivo do arroz de terras altas em Minas Gerais e, assim, gerar novas alternativas de renda para produtores rurais.

O trabalho é realizado em conjunto com a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (Emater-MG) e com o Programa “Melhor Arroz” da Universidade Federal de Lavras (UFLA).

Pesquisadores e estudantes acompanharão a produtividade, adaptabilidade, desenvolvimento e rentabilidade dos materiais em cidades espalhadas pelo Sul de Minas, Vale do Jequitinhonha e Campo das Vertentes.

No total, dez cultivares comerciais de arroz de terras altas serão avaliadas em 30 propriedades rurais no estado. Em outras oito propriedades, localizadas nas mesmas regiões, serão implantadas UDs para testes de 18 linhagens do Programa de Melhoramento Genético de Arroz de Terras Altas, que poderão, futuramente, ser lançadas no mercado como cultivares. Nessas unidades, serão avaliados também a altura, floração, acamamento e possíveis doenças.

O acompanhamento será realizado entre outubro deste ano e fevereiro de 2024, quando ocorrerá a colheita de amostras a serem levadas para avaliações na UFLA.

Melhoramento genético

Nas UDs onde serão avaliadas as linhagens do Programa de Melhoramento, as equipes de pesquisadores, extensionistas e estudantes utilizarão o método de Melhoramento Genético Participativo (MGP), que consiste em plantar os materiais utilizando apenas as tecnologias disponíveis nas propriedades.

“Se o produtor tem uma matraca para plantar, nós vamos usar a matraca. Se o produtor tem uma semeadora, vamos usar a semeadora. Se é tudo na mão, nós vamos fazer tudo na mão também. Assim conseguimos simular o plantio nas mesmas condições do produtor, sem nenhuma intervenção de fatores externos”, destaca Janine Guedes, pesquisadora da Epamig, e uma das coordenadoras das pesquisas.

Resgate da cultura

Segundo a pesquisadora, o interesse de produtores mineiros no cultivo do arroz de terras altas cresceu consideravelmente nos últimos dois anos, devido à alta dos preços do produto nos mercados e à busca pelo alimento por parte das prefeituras, para abastecer o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA).

“Minas Gerais já foi o 3º maior estado produtor de arroz do Brasil e, hoje, ocupa a 18ª posição. Perdemos muitas áreas de arroz no estado, que foram substituídas pelo cultivo da soja. Além disso, atualmente, a legislação está cada vez mais rigorosa para se abrir uma área de arroz inundado, devido à emissão de gases de efeito estufa”, explica Janine.

Para ela, o resgate da cultura representa um importante passo para a retomada de áreas de cultivo de arroz no estado e pode trazer benefícios para o solo e para a renda de propriedades rurais.

Cultivo sustentável

O arroz de terras altas é um cultivo mais sustentável do que o sistema inundado, pois não requer o uso de grandes volumes de água. Além disso, ele ajuda a preservar o solo, porque deixa uma palhada muito boa e com alto índice de nitrogênio.

Canal Rural

TAGS:

Acesse todos os nossos conteúdos

Publicidade

Publicidade

Seja um assinante e aproveite.

Últimas notícias

plugins premium WordPress

Acesse a sua conta

Ainda não é assinante?