Análise: desaceleração da economia no 4° tri de 2022 deve continuar em 2023, mas agropecuária vai ajudar

Analistas dizem que crescimento de 2,9% do PIB em 2022 se concentrou no 1° semestre e citam juros altos como inibidores da atividade.

Tempo de leitura: 2 minutos

| Publicado em 03/03/2023 por:

Engenheira Agrônoma | Analista de mercado

Foi nítida a perda de potência da atividade econômica no quarto trimestre de 2022, segundo avaliação de analistas após a divulgação pelo IBGE na manhã desta quinta-feira (2) dos dados do Produto Interno Bruto (PIB). A economia contraiu 0,2% no quarto trimestre ante o trimestre anterior, mas fechou com crescimento de 2,9% no ano fechado. Os especialistas disseram que o impacto da política monetária contracionista já aparece e que devem permanecer no início de 2023.

Rafaela Vitória, economista chefe do Banco Inter, ponderou que, apesar do bom crescimento no acumulado do ano (2,9%), a maior parte da alta foi concentrada no 1º semestre do ano, ainda refletindo a retomada do consumo das famílias pós pandemia e o ciclo investimentos que estava em curso.

Leia também:

No último trimestre de 2022, no entanto, ela destacou que já foi possível observar o impacto do ciclo de alta de juros em setores mais sensíveis, como a indústria da transformação, a construção e o comércio foram os destaques de queda.

“Por outro lado, Serviços ainda apresentou crescimento de 0,2% no trimestre, mas em menor ritmo que o observado nos trimestres anteriores”, comentou, destacando os desempenho de TI e de serviços presenciais no período, que tiveram alta de 1,8% e 0,9%, respectivamente.

Para 2023, a expectativa da economista é de uma continuidade da tendência de desaceleração da atividade, mesmo com o impulso fiscal do aumento de gastos do governo com transferências.

“Esperamos crescimento no ano de 0,8%, puxado principalmente pela expectativa de forte alta da agropecuária de 8% no ano. A elevada taxa de juros ainda deve manter a atividade fraca na maior parte do ano, contendo a expansão do consumo e dos investimentos”, projetou.

Ao explicar a perda de tração da economia no final do ano, Mirella Hirakawa, economista da AZ Quest, ressaltou, além do efeito da política mais restritiva imposta pelo Banco Central, os efeitos mais fracos da reabertura da economia e da reorganização entre o consumo de bens e de serviços, que foram mais pronunciados na primeira metade do ano. “Na ótica da oferta, essa desaceleração está mais concentrada na indústria de transformação, com uma queda na margem de 1,4% e, na ótica da demanda, da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), com queda de 1,1% na margem”, comparou.

Sobre o dado fechado de 2022 ter vindo em 2,9%, um pouco abaixo do consenso de 3% do mercado, Mirella atribuiu isso a revisões marginais feitas pelo IBGE dos últimos trimestres.

Nesse PIB anual, a economista da AZ Quest, destacou que o principal driver foram os Serviços. Na ótica da demanda, o destaque foi do consumo das famílias, com uma alta de 4,3%.

Um dado negativo pelo lado da oferta no ano passado foi o desempenho da Agropecuária, com uma queda de 1,7%, explicada principalmente pela soja, com contração de 11,4%. Mas Mirella alertou que os levantamentos recentes da safra atual já apontam para uma direção contrária.

“Olhando para a frente, a Agropecuária possivelmente vai ser o maior fator de impulso para o crescimento da economia ao longo de 2023”, previu.

A AZ Quest deve fazer em breve uma revisão para cima da projeção do PIB de 2023, tanto por conta da estimava para o Agro quanto pelo carrego estatístico de 0,2% do PIB do ano passado.

Info Money

TAGS:

Acesse todos os nossos conteúdos

Publicidade

Publicidade

Seja um assinante e aproveite.

Últimas notícias

plugins premium WordPress

Acesse a sua conta

Ainda não é assinante?