Acesse

MINUTO DA SOJA: demanda aquecida na China e preocupação com a oferta na América do Sul

Na Argentina o tempo permanece seco e a Bolsa de Buenos Aires reduziu as expectativas de produção para apenas 13,7 milhões de toneladas, um corte de quase 2 milhões!

Tempo de leitura: 3 minutos

| Publicado em 27/10/2022 por:

Engenheira Agrônoma | Analista de mercado

Semana de lateralização para os futuros da soja e de valorização no mercado doméstico brasileiro. Nos estados do Paraná e do Mato Grosso, algumas praças chegaram a ter a saca valorizada em até +3%. Nesta quarta-feira (26), os preços em Cascavel eram de R$171,00, em Guarapuava eram R$174,20 e em Nova Mutum chegava a R$168,00.

No país, conforme o Ministério da Economia, as exportações da oleaginosa nas 3 primeiras semanas do mês somaram 3,252 milhões de toneladas, em igualdade com o mesmo volume do ano anterior. Quanto ao plantio da safra 2022/2 no Mato Grosso do Sul, o Sistema Famasul divulgou que os trabalhos já atingiram 44% da área total, avançando nesta última semana 22,5 pontos percentuais. O plantio segue levemente atrasado devido às chuvas na região. A estimativa é de que o estado produza cerca de 3,8 milhões de toneladas de soja.

No Paraná, segundo maior produtor brasileiro da oleaginosa, a Deral aponta que os trabalhos alcançaram, também, 44% da área total. O avanço de 11 pontos percentuais na semana foi graças ao tempo firme e trégua nas chuvas, as quais estão causando um atraso no plantio de 16 pontos percentuais ante a mesma época do ano anterior. O estado está estimando uma produção recorde em 21,5 milhões de toneladas.

Lá fora, os futuros da soja sobem e descem na bolsa de Chicago. Após encerrar a primeira sessão da semana com queda de -1,68%, o contrato novembro (ZCX2) vem se recuperando. Na terça-feira (25) subiu +0,73% e nesta quinta (27), segue tentando +0,53%, valendo US$ 13,89 por bushel.

Como suporte aos preços da commodity, temos a forte demanda chinesa pelo produto. Como comentado anteriormente, os estoques de farelo de soja estão caindo naquele país. Margem da suinocultura positiva, maior consumo de carnes na região, a situação não poderia ser outra. Porém, com as dificuldades de escoamento de grãos dos EUA devido ao baixo nível do Rio Mississippi, o aperto deve ficar maior do que o esperado. Outro fator altista para a soja são os estoques americanos de petróleo e derivados que, seguem em baixos patamares.

Apesar do avanço da colheita norte-americana acima do esperado, alcançando 80%, estar pressionando as cotações, as preocupações com o clima na América do Sul permanecem no radar.

Na Argentina o tempo permanece seco e a Bolsa de Buenos Aires reduziu as expectativas de produção para apenas 13,7 milhões de toneladas, um corte de quase 2 milhões! No Brasil, previsões de geada para o Sul. Isso mesmo, o frio deve chegar para os estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. A maior preocupação é a soja do Paraná, uma vez que o plantio já está atrasado e haverá chuvas na região. Será o frio e a chuva uma boa junção para o desenvolvimento da oleaginosa?

TAGS:

Acesse todos os nossos conteúdos

Publicidade

Publicidade

Seja um assinante e aproveite.

Últimas notícias

plugins premium WordPress

Acesse a sua conta

Ainda não é assinante?