Acesse

Trigo Balanço Semanal: derrocada nos preços do trigo no mercado externo

Na bolsa de Chicago, tivemos o contrato julho SRW variando na semana -7,52%, e o setembro -7,18%.

Tempo de leitura: 4 minutos

| Publicado em 10/06/2024 por:

Engenheira Agrônoma | Analista de mercado

Trigo Brasil

Além de acompanhar os acontecimentos no mercado externo, também devemos ficar atentos ao trigo aqui no Brasil.

Estamos no período do ano em que ocorre o plantio da nova safra de trigo, e já podemos observar diversas dificuldades em relação aos trabalhos no campo, em especial no Rio Grande do Sul.

O excesso de umidade no solo está dificultando o acesso de máquinas no campo, preocupando produtores da região com a possibilidade de atrasar ainda mais a semeadura do cereal.

Além disso, em algumas partes não será nem mesmo possível o plantio, o que já vem chamando a atenção do mercado.

Outro estado sofrendo com condições climáticas adversas é Minas Gerais, que passou por um longo período de seca, onde agora a escassez hídrica pode levar a perdas de até 30% nas lavouras do trigo.

Já no estado do Paraná, a semeadura avança bem, chegando a 73% da área total prevista até o último dia 03.

Segundo técnicos da Deral, apenas 4% das lavouras estão classificadas em condições ruins, sendo 12% médias e 82% em boas condições.

Mesmo com o rápido avanço no plantio do estado, no mercado de lotes paranaense temos a tonelada do trigo variando +3,4% na última semana, negociada a R$ 1.533,89, uma variação mensal até o momento de +16,6%, e anual de +5,8%.

Na quinta-feira (06) tivemos a atualização da Balança Comercial brasileira para o mês de maio.

Segundo os dados da Secex, foram exportadas 55,033 mil toneladas de trigo e centeio não moídos, vindo abaixo do volume exportado em mesmo mês do ano anterior, quando totalizava 68,231 mil toneladas.

Quanto às importações, estas totalizaram 657,138 mil toneladas no mês, sendo 231% do volume importado em 2023, de 283,525 mil toneladas.

Frente à toda esta adversidade climática, diversas consultorias estão reduzindo suas previsões para a nova safra, que agora está girando em torno de 7,80 milhões de toneladas.

Lembramos que cortes também foram feitos no mercado externo, como é o caso da Rússia, que teve novamente sua produção reduzida.

Segundo a SovEcon, a safra de trigo está agora estimada em 80,7 milhões de toneladas, um corte de mais de 10 milhões de toneladas desde o início da temporada, quando eram previstas 94 milhões.

Trigo Mercado Externo

A última semana teve início com os futuros do trigo dando continuidade em suas quedas da última sessão, e na bolsa de Chicago, vemos o contrato julho SRW variar naquele dia -0,85%, e o setembro -0,77%.

O movimento se estendeu para a Euronext, onde o contrato setembro variou -0,2%, encerrando cotado à US$ 282/t.

Com o mercado aguardando maiores novidades sobre o corte de produção na Rússia, tivemos um leve momento de estabilidade. Apesar disso, Oksana Luts, Ministra da Agricultura do país, havia anunciou que um regime de emergência federal poderia ser aplicado até o final desta semana, devido às recentes geadas.

Segundo a Ministra, cerca de 1 milhão de hectares já foram perdidos, e mais de 600 mil danificados.

Nos EUA, as condições do trigo de inverno permanecem estáveis, e até o último dia 02 estavam classificadas 49% entre boas/excelentes condições, 33% regulares e 18% entre ruins/péssimas.

A colheita do trigo teve agora início no país, chegando a 6% da área total até o último dia 02, enquanto em igual período do ano anterior estava em apenas 3%.

Segurando um pouco as quedas do cereal, tivemos a atualização das inspeções semanais para exportação de grãos norte-americanos, para a semana encerrada no dia 30 de maio.

Quanto ao trigo, foram inspecionadas 416,010 mil toneladas, volume que veio acima da semana anterior, e das 304,400 mil toneladas inspecionadas em igual período de 2023.

Entretanto, o trigo continuou recuando para os principais contratos e bolsas no mercado externo.

Na bolsa de Chicago, tivemos o contrato julho SRW variando na semana -7,52%, e o setembro -7,18%.

Um dos principais fatores responsáveis pelo movimento, é o avanço da colheita do trigo de inverno nos EUA, chegando a 6% da área total até o último dia 02, enquanto em igual período do ano anterior estava em apenas 3%.

A entrada de trigo vindas do Canadá e União Europeia também seguram as cotações, mesmo diante de um cenário de menor oferta mundial.

Falando nisso, a Comissão Europeia informou que até o último dia 02 de junho, foram exportadas 28,17 milhões de toneladas de trigo mole safra 2023/24, representando uma queda de 5% ante ao ano anterior.

Na Ucrânia, as exportações também recuaram, totalizando do início da temporada até o último dia 05 de junho, um volume de 47,4 milhões de toneladas de grãos, enquanto em igual período do ano anterior, o Ministério da Política Agrária reportava um volume de 45,6 milhões de toneladas.

O amadurecimento dos grãos ucranianos pode começar até 2 semana mais cedo que o normal, devido às condições climáticas adversas na região.

Voltando a falar dos EUA, tivemos a atualização das vendas semanais para exportação de grãos, com dados da semana entre os dias 24 e 30 de maio.

Para o trigo 2023/24, foi informado novamente reduções, agora no volume de 229 mil toneladas!

Já para 2024/25, as vendas somaram 616,900 mil toneladas, destinadas a Taiwan, Filipinas, México, China e locais não revelados.

Encerrando, na sexta-feira (07) o estado de emergência foi declarado na Rússia, mais localizado entre as regiões norte do Distrito Federal Sul, Distrito Federal Central e Volga.

TAGS:

Acesse todos os nossos conteúdos

Publicidade

Publicidade

Seja um assinante e aproveite.

Últimas notícias

plugins premium WordPress

Acesse a sua conta

Ainda não é assinante?