Publicidade

Farelo de Trigo Balanço 1º Sem 2022

Farelo de Trigo Balanço 1º Sem 2022: depois de alguns meses pressionado, preço do farelo de trigo fecha junho mais equilibrado.

Tempo de leitura: 3 minutos

| Publicado em 13/07/2022 por:

Eng. Agrônoma especializada em Administração Agrícola e Comércio Exterior.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

De forte alta de janeiro a março, à preços despencando em abril e recuperação moderada nos meses de maio e junho. Este foi o movimento nas cotações do farelo de trigo no Brasil no primeiro semestre de 2022. Contudo, os eventos que balizaram os índices foram inúmeros e estão nos comentários do conteúdo a seguir, juntamente com uma análise gráfica da evolução dos preços. Confira:

Leia também:

O mês de janeiro começou de forma muito promissora para os preços do farelo de trigo, dado o cenário de estiagem que assolava boa parte das regiões produtoras de milho do Brasil, elevando a cotação do grão amarelo e ampliando a demanda de outros componentes destinados para a alimentação animal. Neste sentido, os preços que fecharam o ano de 2021 em queda, conseguiram demonstram uma boa recuperação.

Este cenário otimista se manteve no mês de fevereiro, diante da oferta restrita de farelo no mercado, assim como pela necessidade de repasses no derivado, já que o trigo demonstrava naquele momento expressivas elevações.

Esse movimento seguiu durante boa parte do mês de março, principalmente diante das preocupações com o abastecimento global de trigo, que elevou o preço da commoditie em todo mundo, obrigando os vendedores de farelo a repassarem o aumento da matéria-prima para o subproduto. Por outro lado, na reta final do terceiro mês do ano, com a entrada da safra de soja e arroz na região Sul do Brasil, os preços do farelo foram pressionados, diante da maior oferta de outros componentes dos formulados de rações.

Em abril e maio, o mercado do farelo de trigo foi completamente pressionado pelo excesso de oferta, já que a demanda por farinha aumentou drasticamente neste período, ampliando a moagem de trigo. Neste sentido, muitos moinhos precisaram abrir mão das suas margens, realizando ações de vendas, de modo a facilitar o escoamento do produto. 

Ao mesmo tempo, uma queda no preço do milho foi observada diante da aproximação da colheita do milho segunda safra 2022, que somado ao aumento dos custos de fretes e dificuldade na contratação de serviços de logística, acabaram prejudicando ainda mais os preços do farelo de trigo, que chegaram a sua mínima do ano ao final de abril e contabilizando uma queda drástica ante o mês anterior.

Ao final de maio e começo de junho, houve uma estabilização na moagem de trigo para produção de farinha e por consequência, um melhor equilíbrio na relação de oferta e demanda de farelo. Ao mesmo tempo, com os novos aumentos nos preços do trigo, os moinhos seguiram observando a melhor oportunidade para repassar aumentos na cotação do farelo, o que foi ocorrendo gradualmente e de forma melhor aceita do que em outras épocas, dada a chegada do inverno, em que a oferta de alguns componentes se torna mais limitada, assim como, pela redução das áreas de pastagens que também aumenta a procura pelo derivado de trigo.

Sendo assim, embora o cenário pareça estar mais calmo nessa época, com os repasses nos preços do farelo ocorrendo gradualmente, melhorando assim a margem do produto que se encontrava bastante defasada, os moinhos ainda relatam certa preocupação com a entrada da oferta da safrinha de milho, já que isso pode pressionar os preços do grão, dando a oportunidade do setor de rações migrar suas aquisições de farelo.

Por outro lado, a perspectiva ainda se mostra mais otimista ao que foi passado nos meses anteriores, quando a oferta do cereal foi o principal fator de queda, já que nos próximos meses o Brasil se encontra em período de entressafra do trigo, o que deve seguir limitando as ofertas e dando a chance do setor operar em patamares mais equilibrados.

Por fim, no período de janeiro a junho/22 os preços do farelo de trigo a granel variaram entre -4% a +16% nas regiões acompanhadas pela AF News. Confira a média mensal de preços nos dados abaixo:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

TAGS:

Acesse todos os nossos conteúdos

Publicidade

Publicidade

Seja um assinante e aproveite.

Últimas notícias

Acesse a sua conta

Ainda não é assinante?