Publicidade

BALANÇO ANUAL DE TRIGO 2018

O ano em que faltou chuva no início e um guarda-chuva sobre as lavouras na reta final Chegado o fim de ano, é o período de fazermos um balanço anual sobre os principais fatores que impactaram no mercado. Os números do balanço constam em planilhas e gráficos disponibilizados no link ao final do texto.

Tempo de leitura: 2 minutos

| Publicado em 24/06/2022 por:

Eng. Agrônoma especializada em Administração Agrícola e Comércio Exterior.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O ano em que faltou chuva no início e um guarda-chuva sobre as lavouras na reta final Chegado o fim de ano, é o período de fazermos um balanço anual sobre os principais fatores que impactaram no mercado. Os números do balanço constam em planilhas e gráficos disponibilizados no link ao final do texto.

Em 2018 o Brasil produziu uma safra maior que em 2017, em termos de volume de produção, pois no quesito qualidade o clima seco no período de implantação das lavouras e o excesso de chuvas na fase final de desenvolvimento impactaram negativamente a qualidade do cereal.

Leia também:

No Paraná e no Rio Grande do Sul, diversos são os relatos de compradores alegando falta de padrão nos lotes e dificuldade de encontrar trigo de qualidade satisfatória para produção de farinhas. Portanto, neste segundo semestre do ano, observa-se maior oferta de trigo com pH entre 75 e 77 e disponibilidade restrita de trigo pH78.

A qualidade do cereal, portanto, ditou os preços neste segundo semestre, que, com a proximidade da colheita sofreu pressão de baixa, mas que com a sinalização dos resultados negativos na qualidade começaram a ganhar força novamente, com triticultores indispostos a vender por menores cotações e compradores sem conseguir precificar a farinha de acordo. Neste cenário, o fim de ano está caracterizado com negociações travadas no mercado de balcão.

Em se tratando de menor volume de trigo de qualidade para moagem no mercado doméstico, o fator importação passa a atuar sobre os preços do trigo e seus derivados. O Brasil terá a dependência intensificada de trigo importado, precificado pela forte valorização do dólar, que está em torno de R$3,90 nesta semana.

Na Argentina, segundo a Bolsa de Cereales, a projeção de produção de ajustou para 19 milhões de tons na safra 2018/19, resultado das geadas e fortes chuvas que atingiram as principais regiões produtoras do país. Apesar das adversidades climáticas, ainda será a produção recorde no país, o que disponibilizará para exportação cerca de 13 milhões de tons de trigo.

O QUE ESPERAR EM 2019?

Vamos falar do ponto que mais preocupa os setores do mercado de trigo: preços.

O ano de 2018 encerra com as cotações do cereal, tanto no mercado doméstico quanto no externo, com preços maiores em relação a 2017. Analisando o cenário externo, o USDA projeta uma redução na produção mundial de trigo em 24,8 milhões de tons, reflexo de quebra de produção, em comparação a 2017/18, nos principais exportadores mundiais, Austrália (-4,3 milhões de tons), União Europeia (- 14 milhões de tons), Rússia (- 15 milhões de tons). O destaque de incremento na produção vai para EUA ( + 4 milhões de tons), Canadá (+2 milhões), Argentina (+1,5 milhão).

Portanto, alguns agentes do mercado acreditam que a quebra na produção mundial dará força a subida dos preços do trigo no mercado externo. Porém, este aumento pode ser limitado considerando os estoques finais em 268,1 milhões de tons.

Vale lembrar ainda que a cotação do dólar e as relações comerciais do novo presidente eleito, Jair Bolsonaro, também são fatores que impactam nos preços do trigo que desembarca no Brasil, aos quais o mercado estará atento em 2019.

O esfriamento das exportações Russas, principalmente em janeiro e fevereiro/19 quando o rigoroso inverno dificulta a logística no país, pode impulsionar as vendas de trigo dos EUA e os preços do cereal norte-americano valorizarem. A redução nas exportações russas, segundo agentes do mercado, pode se dar em função do esgotamento de trigo de qualidade “padrão Rússia” para exportação.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

TAGS:

Acesse todos os nossos conteúdos

Publicidade

Publicidade

Seja um assinante e aproveite.

Últimas notícias

Acesse a sua conta

Ainda não é assinante?