Publicidade

Que fatores explicam a queda nos preços do trigo?

Melhorias produtivas, avanços diplomáticos e fechamentos de posições explicam muito dessa dinâmica

Tempo de leitura: 5 minutos

| Publicado em 19/07/2022 por:

Eng. Agrônoma especializada em Administração Agrícola e Comércio Exterior.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Um 2022 que começou com pequenas mudanças nos preços do trigo esbarrou no resultado bélico da crise russo-ucraniana no final de fevereiro. Poucas semanas após a incursão russa na Ucrânia, tanto os futuros locais quanto os dos EUA estavam atingindo máximos nominais de todos os tempos. A incerteza cresceu acentuadamente com o conflito, já que mais de um terço do comércio mundial de trigo é enviado da região do Mar Negro.

Dessa forma, a tendência de preços foi de alta sem muitas nuances até meados de maio deste ano. Mas desde então, os futuros de trigo caíram cerca de 20% na Argentina e 36% no mercado de Chicago.

Leia também:
Fonte: Bolsa de Comércio de Rosário

Três fatores explicam em grande parte as recentes quedas de preços: a melhora das perspectivas de produção em todo o mundo, o avanço das negociações diplomáticas em torno da crise russo-ucraniana e o fechamento de posições pelos principais fundos de investimento. .

Do desastre potencial ao cuidado

A safra 2022/23 a nível global parecia complicada em muitas frentes: secas na Índia, China e União Europeia, os principais produtores, acompanhadas de problemas de produção nos Estados Unidos, Austrália e na Argentina. Na China, maior produtor mundial de trigo, a condição do trigo de primavera era a pior da história até alguns meses atrás, segundo o próprio Ministério da Agricultura do gigante asiático.

No entanto, as perspectivas de produção global foram melhorando ao longo do tempo e a campanha 2022/23 deve fechar com uma queda de 1% na produção de trigo, como mostrou o último relatório de Oferta e Demanda Mundial de Produtos Agrícolas (WASDE) em sua versão de julho. Da mesma forma, o comércio mundial de trigo pretende crescer 2,5% e ultrapassar 205 Mt, um máximo histórico. Junto com isso, a colheita de trigo dos EUA vem se ajustando para cima e acima das expectativas dos traders. Com a demanda crescendo em ritmo mais lento, mês a mês os estoques finais esperados para a atual campanha da norte-americana também melhoram, o que empurra os preços para baixo.

Fonte: Bolsa de Comércio de Rosário

Embora hoje as perspectivas sejam mais animadoras, ainda há ondas de calor nos Estados Unidos, China e União Europeia, o que pode voltar a colocar em dúvida a produção e as exportações globais de trigo. Não satisfeito com isso, embora as perspectivas para os estoques de trigo nos Estados Unidos melhorem mês a mês, ainda permanecem em uma baixa de nove anos.

Por fim, vale lembrar que o segundo maior consumo mundial de trigo da história é esperado na campanha 2022/23, segundo o USDA. Neste quadro, o Egito, o maior importador mundial de trigo, fez esta semana a sua maior compra de trigo em dez anos, adquirindo 810 mil toneladas do cereal numa única licitação junto da sua entidade estatal, a Autoridade Geral para o Fornecimento de Commodities (GASC).

Expectativas crescentes na região do Mar Negro

Aos múltiplos sinais que nos aproximam da reabertura das exportações de cereais na Ucrânia, acrescentou-se uma novidade na manhã da última quinta-feira (14). O ministro da infraestrutura ucraniano afirmou que estamos “definitivamente um passo mais perto” de chegar a um resultado em relação ao reinício dos embarques. Isso ocorre após uma importante cúpula em Istambul entre representantes russos e ucranianos, mediada pela Turquia e pela ONU.

Embora os embarques ucranianos sejam interrompidos pelo conflito, deve-se notar que os russos nunca pararam. Desde o início da guerra, a Rússia embarcou mais de 8 Mt de trigo através de seus portos do Mar Negro, quase 10% a mais do que no mesmo período de 2021. Temores sobre possíveis interrupções nos embarques russos que foram especuladas no início do conflito foram descartados ao longo do tempo, o que também impôs um teto aos preços.

Por outro lado, as políticas de zero COVID na China e a potencial recessão nos Estados Unidos surgem como dois fatores adicionais que podem afetar a dinâmica dos preços internacionais do trigo. Um quadro de declínio da produção com demanda sustentada levaria os preços de volta ao território positivo. No entanto, qualquer queda na demanda internacional por trigo devido à desaceleração econômica na China e nos Estados Unidos seria vista como um fator de baixa para os preços.

O posicionamento líquido dos fundos de investimento em trigo volta a vender participações

Em um contexto internacional inflacionário, o aumento das taxas de juros pelo Federal Reserve dos Estados Unidos vem revalorizando o dólar. Na semana passada foi constatado que a moeda norte-americana atingiu a paridade com o euro pela primeira vez em 20 anos.

Dessa forma, as políticas monetárias contracionistas norte-americanas vêm desencorajando o posicionamento financeiro em commodities, que até então era um importante refúgio de valor em um contexto mundial de juros baixos. Após seis semanas de vendas, no início de julho, o posicionamento líquido dos fundos mútuos de trigo retornou ao terreno de vendas líquidas pela primeira vez desde março deste ano. O robusto fechamento de posições nas últimas semanas é outro fator que vem derrubando os preços do trigo.

Fonte: Bolsa de Comércio de Rosário

Um panorama local descendente

Em Rosário, a cautela comercial foi especialmente perceptível na terça-feira, dia da publicação do WASDE e queda de preços tanto no mercado local quanto nos Estados Unidos. Na quarta-feira, a atividade comercial se recuperou acentuadamente, reincorporando as ofertas do trigo 2022/23 para dezembro a US$ 290/t, enquanto a descarga mais próxima foi localizada em US$ 330/t.

O volume de negócios para a próxima campanha analisa de perto a evolução do trigo tanto na Zona Core como na província de Buenos Aires. Em seu último relatório semanal , a GEA cortou ainda mais a área de trigo argentino, totalizando 5,9 M ha, um milhão de hectares a menos que na temporada passada. Por seu lado, as estimativas do MAGyP, para já com uma área de 6,4 M ha, mostram um progresso de sementeira de 88% da área alvo, sete pontos abaixo da época passada. Vale ressaltar que esse atraso relativo é ainda mais importante se considerarmos que a área da última campanha segundo o Ministério estava localizada em 6,7 M ha.

BCR

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

TAGS:

Acesse todos os nossos conteúdos

Publicidade

Publicidade

Seja um assinante e aproveite.

Últimas notícias

Acesse a sua conta

Ainda não é assinante?