Exportação: venda de carne para China é suspensa por caso atípico de vaca louca

  • 04/06/2019
  • 4
  • Categoria(s): Mercado de Carnes |

O caso incomum de Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB) em uma vaca no norte do Mato Grosso,  confirmado em nota pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), nesta segunda-feira (03)...

Veja Mais
Frango: lucro do setor nos EUA melhora com redução do peso das aves
Exportação: venda de carne para China é suspensa por caso atípico de vaca louca
Carnes: peste suína africana pode abrir janela de exportação de carne suína brasileira
Brasil espera abrir mercado de exportações da carne bovina para Japão; tratativas para visita técnica em 2020 já estão bem avançadas, diz ministra
Exportação carne in natura aos EUA: missão americana inicia nova inspeção nos frigoríficos brasileiros

O caso incomum de Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB) em uma vaca no norte do Mato Grosso,  confirmado em nota pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), nesta segunda-feira (03), repercutiu entre as principais entidades do setor de frigoríficos, inclusive com a confirmação de que estão suspensos os embarques para a China desde o dia 31, segundo documento assinado pelo Departamento de Inspeção de Saúde Animal, vide documento 

O mal da vaca louca - como também é denominada a doença – foi identificado em um bovino de corte, com idade de 17 anos. O caso foi considerado "atípico" porque a doença apareceu espontaneamente, e não está relacionada à ingestão de alimentos contaminados.

De acordo com informações do Mapa e do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (INDEA/MT), as medidas protocolares e as investigações de campo, com interdição da propriedade de origem, foram tomadas de imediato. Ainda, segundo os especialistas, todas as ações sanitárias de mitigação de risco foram concluídas antes mesmo da emissão do resultado final por laboratório de referência da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). A notificação oficial à OIE e aos países importadores, conforme preveem as normas internacionais, foi feita logo após a confirmação do laudo.

Suspensão e Impacto

O Brasil continua mantendo o status de “risco insignificante” - condição essencial para evitar que os países que importam nossa carne bovina venham a barrar as compras do nosso produto por questões sanitárias. Apesar disso, o impacto na bolsa de valores foi inevitável neste início de semana.  As gigantes do setor de carnes, apresentaram quedas significativas.  Minerva recuou 2,8%, enquanto JBS recuou quase 3%, e Marfrig perdeu 4,25%, no final do dia.

Na avaliação do presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Carnes Frescas do Estado de São Paulo, Manuel Henrique Farias Ramos, o caso isolado da “vaca louca” do MT não deve ser motivo para embargos e a segurança do consumidor final da proteína está garantida.  “Não existe força sistêmica entre a lei da oferta e procura. Além disso, a demanda do mercado externo continua crescente”, pondera.

Sobre o mercado de ações, o representante da entidade diz que a reação da bolsa já era esperada. “É um mercado que corre em paralelo, cheio de especulações”, comenta.

Exportação

A China, maior importadora de carne bovina do Brasil em receita, gastou 1,5 bilhão de dólares em compras do produto no ano passado, totalizando 332.400 toneladas, ou quase 20% de todos os embarques.

A porta-voz do ministério declarou, nesta segunda-feira, que o Brasil, maior exportador de carne bovina do mundo, espera que a suspensão seja levantada rapidamente, uma vez que o país segue classificado como livre da doença de vaca louca pela Organização Mundial de Saúde Animal.

O último trecho da Nota oficial do Mapa divulgado pelas autoridades diz: “foi suspensa temporariamente a emissão de certificados sanitários até que a autoridade chinesa conclua sua avaliação das informações já transmitidas sobre o episódio, cumprindo-se, assim, o disposto no protocolo bilateral assinado em 2015”.

As exportações brasileiras de carne bovina fecharam 2018 com um volume 11% superior ao registrado em 2017, o equivalente a 1,64 milhões de toneladas, de acordo com dados da Associação Brasileira das indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec).

Histórico

Em mais de 20 anos de vigilância para a doença, o Brasil registrou somente três casos de EEB atípica e nenhum caso de EEB clássica, que é transmitida por alimentos contaminados. 

Em 2012, no Paraná, em Sertanópolis, quando houve outro caso atípico e que provocou grande tensão no mercado e custou o bloqueio das exportações brasileiras para vários países. As autoridades sanitárias lembraram que o atraso na comunicação à OIE se deu pelas adequações aos protocolos da encefalopatia espongiforme bovina (BSE).

 

AF News Agrícola

Veja Mais
Carne de frango: USDA diz que produção brasileira deve crescer em 2,5% no próximo ano
Demanda de farelo sinaliza melhora, porém com baixa oferta disponível
Trigo EUA: Atraso das tarefas de colheita nos EUA, provoca valorização do trigo na Bolsa de Chicago
Balanço do semestre: crescem as exportações de carne bovina do Brasil
O que esperar do mercado externo de trigo?

Quer receber as últimas atualizações de Trigo, Milho, Farinhas, Farelos, Soja e do agronegócio em seu e-mail?

Cadastrar





Sobre AF News

A AF News com sede em Curitiba PR, foi idealizada para poder atender as necessidades de empresas e pessoas com informações de mercado e análises. Com responsabilidade, ética e imparcialidade nosso objetivo é promover o questionamento e a divulgação de informações útei...
Continue Lendo