Indústria de fertilizantes importa mais e se prepara para safrinha

  • 30/01/2019
  • 4
  • Categoria(s): Notí­cias Populares |

LabFert

O ano parecia ruim para o setor de fertilizantes, após a paralisação dos caminhoneiros...

O ano parecia ruim para o setor de fertilizantes, após a paralisação dos caminhoneiros, a ruptura na entrega de produtos e o imbróglio da tabela de frete. Não foi o que ocorreu.

O setor terminou 2018 —os dados ainda não estão disponíveis— com entrega recorde de produtos e deve começar 2019 com ritmo intenso.

O Brasil tem forte dependência externa no setor, e as compras de 2018 somaram 29,54 milhões de toneladas, com gastos de US$ 8,62 bilhões, segundo a Secex (Secretaria de Comércio Exterior).

 Uma parte dessas importações não fica com as indústrias de adubos, mas é utilizada por outros setores.

Com isso, os números de importação do Siacesp (sindicato do setor) e da Anda (Associação Nacional para a Difusão de Adubos) indicam volume menor: 27,7 milhões de toneladas, 5,1% mais do que em 2017.

A indústria teve uma atividade intensa de julho a outubro, quando entregou 17,1 milhões de toneladas de fertilizantes, 9,4% mais do que em igual período anterior.

Não tirou os olhos, porém, da safrinha, que consumirá bom volume de adubo. No último trimestre, foram importados 8,7 milhões de toneladas, 22% mais do que de outubro a dezembro de 2017.

“O setor segue o padrão dos últimos 20 anos, crescendo a uma taxa anual de 5%”, diz Fabio Silveira, sócio-diretor da MacroSector Consultores.

Em 2018, a agricultura foi impulsionada pelas boas receitas, que cresceram de 3,5% a 4%, descontada a inflação. “E 2019 não vai ser muito diferente para insumos, devido ao colchão de preços que será proporcionado pela desvalorização cambial.”

Incertezas internas e externas provocarão turbulência, que será responsável por alta da taxa de câmbio.

Essa elevação do dólar aumenta as receitas dos produtores em reais.

As exportações de commodities não deverão ter a mesma intensidade das de 2018. Mas, mesmo com a queda de preços externos, o produtor vai ganhar. A desvalorização cambial garantirá receitas reais. Silveira estima o dólar em R$ 3,90, em média.

Em 2018, a desvalorização cambial garantiu boa parte dos lucros dos produtores, permitindo vendas maiores também para as indústrias de fertilizantes.

A comercialização de um volume maior de insumos, e a um preço melhor, reduziu os custos fixos médios, dando ganho de margens para as indústrias, segundo Silveira.

 Fonte: Folha SP

Veja Mais
Destaques da Economia Brasileira (25 a 29/05): Dólar registra alta após sete dias consecutivos de queda. Economia global mostra primeiros sinais de recuperação
Economia global mostra primeiros sinais de recuperação diante da pandemia
Destaques da Economia Brasileira (18 a 22/05): Dólar fecha a R$ 5,58 registrando a menor cotação em 20 dias
Economia Brasileira: Bolsonaro e governadores vetam aumento de salário a servidores públicos. Ibovespa vai a 83 mil pontos e dólar tem forte queda
Destaques da Economia Brasileira (10 a 14/05): No ano, dólar já subiu 45% e Banco Central já não sabe mais como atuar

Quer receber as últimas atualizações de Trigo, Milho, Farinhas, Farelos, Soja e do agronegócio em seu e-mail?

Cadastrar





Sobre AF News

A AF News com sede em Curitiba PR, foi idealizada para poder atender as necessidades de empresas e pessoas com informações de mercado e análises. Com responsabilidade, ética e imparcialidade nosso objetivo é promover o questionamento e a divulgação de informações útei...
Continue Lendo