Café – Balanço Semanal: Produção de Café 2020/21 deverá ser elevada no Brasil

  • 01/10/2020
  • 1
  • Categoria(s): Mercado do Café |

Cotação do Café

A produção de café na temporada 2020/21 brasileira foi significativa, de acordo com levantamentos oficiais. Muito colaboradores afirmam que o volume está próximo do apontado pelo USDA, de 67,8 milhões de sacas de 60 kg, em maio/20, o que seria um recorde. A Conab, por sua vez, aponta total de 61,6 milhões de sacas. Por conta da boa oferta, o mercado tem apresentado retração dos preços nos últimos dias. Confira:


Patrocinado

Café Brasil

Mesmo com as exportações 44% superiores quando comparado ao mesmo período no mês de setembro do ano passado, o mercado do café segue com dificuldade para fazer a armazenagem do grão, visto que muitos produtores ainda esperam uma melhora nos preços para vender parte do produto.

Com isso, o mercado da última semana operou sem muitas perspectivas, apesar das altas vistas na quinta e na sexta-feira, com uma expectativa de que dólar e preços internacionais se recuperem um pouco. O preço do café, aliás, se descolou de outras commodities no período, subindo muito mais rapidamente e também caindo muito mais rápido do que outras importantes commodities.

Assim, os preços no mercado interno tiveram uma queda menor do que os preços externos, mas também apresentaram uma valorização mais tímida nos últimos dias.

A demanda interna de café deve seguir melhorando, o que é uma boa notícia para o produtor, com a reabertura de shoppings em muitas cidades que ainda estão sob efeitos fortes da quarentena e a maior flexibilização no protocolo naquelas que já haviam permitido a abertura.

As tendências de baixas ainda seguem muito fortes no curto prazo, não devendo haver mudanças nessa tendência nos próximos dias, o que pode ainda se agravar pela entrada de cafés de outros países no mercado internacional.

Café Mercado Externo

Apesar da semana em queda, os indicadores tiveram aumento no preço para o café arábica. Com os estoques baixos de café certificado e previsões de mais seca no estado de Minas Gerais, o que ajudou a frear um pouco a queda.

Destaca-se também a disparada do dólar no final da semana, que ajudou a elevar os preços recebidos pelo o produtor.

O café conilon seguiu a tendência, com preços futuros em alta, fechando a semana cotado a US$ 1.358/t, mas ainda com a tendência de baixa para a próxima semana.

A tendência de baixa vem das recentes chuvas sobre Minas Gerais, que afastaram o temor de uma grande quebra na produção brasileira de café, da entrada de café colombiano e da América Central no mercado e do problema da volta do coronavírus na Europa, pois alguns países voltam a colocar em prática políticas de isolamento.

Nesse cenário, aceleraram os embarques de café brasileiro no mês de agosto e, em setembro, foram 2,28 milhões de sacas, o que também é um fator de baixa de preços no mercado internacional.

Segundo a Organização Internacional do Café (OIC), o consumo mundial deve atingir 168,39 milhões de sacas de café para o período safra 2019/20, com sobras de 952.000 sacas.

Produção dos Cafés do Brasil 2020 aumenta 25% em relação ao ano passado

Dados analisados do Acompanhamento da Safra Brasileira de Café – setembro de 2020, elaborado trimestralmente pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), e do Valor Bruto da Produção – VBP – Agosto 2020, elaborado e divulgado mensalmente pela Secretaria de Política Agrícola (SPA), do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa), apontam que o volume de produção dos Cafés do Brasil para a safra de 2020/2021, somadas as espécies arábica e canéfora, está estimado em 61,62 milhões de sacas de 60 kg, o que representa um aumento de 25% em relação à safra de 2019.

A produtividade também apresentou um aumento de 20,2% em 2020, alcançando 32,7 sacas/ha, contra 27,2 sacas/ha em 2019. Questões climáticas favoráveis, investimentos em tecnologias e a erradicação de áreas pouco produtivas são os principais fatores que justificam o aumento da produtividade brasileira de café.

Em um ranking de ordem decrescente dos seis principais estados produtores dos Cafés do Brasil em 2020, Minas Gerais segue como o maior estado produtor brasileiro, com produção estimada em 33,46 milhões de sacas de 60 kg, o que representa um aumento de 36,3% em relação a 2019. Em segundo lugar está o Espírito Santo, com produção prevista de 13,6 milhões de sacas, um ligeiro aumento de 0,8% em relação ao ano passado.

O terceiro maior estado brasileiro produtor dos Cafés do Brasil é São Paulo, com a produção estimada em 6,15 milhões de sacas de 60 kg para este ano, número que representa um incremento de 41,9%. Em quarto vem a Bahia, com 4,13 milhões de sacas, 37,9% de aumento em relação a 2019. Rondônia, em quinto lugar, deve produzir 2,43 milhões de sacas, superando em 10,7% a produção do ano passado. Por fim, o Paraná na sexta colocação, com previsão de produzir 937,6 mil sacas em 2020, volume 1,6% menor que em 2019.

Com relação ao valor bruto da produção, a estimativa para a lavoura brasileira em 2020/2021 é de R$ 519,08 bilhões, tendo como base principal o volume da safra anual e os preços médios recebidos pelos produtores agrícolas de vinte e uma culturas, no período de janeiro a agosto deste ano.

Um ranking das seis principais culturas em termos de arrecadação indica que a soja figura em primeiro lugar e deverá faturar R$ 194,24 bilhões. Depois vem o milho, com R$ 81,93 bilhões, seguido da cana-de-açúcar, em terceiro, com R$ 66,3 bilhões. Na sequência, em quarto lugar, destaca-se o algodão herbáceo, com o faturamento estimado em R$ 45,86 bilhões; o café, em quinto, com R$ 30,95 bilhões; e, em sexto, a laranja, com a receita bruta calculada em R$ 16,22 bilhões. Nesse mesmo contexto, devido à sua proeminência, vale destacar que o faturamento bruto da cafeicultura de Minas Gerais representa 60% do faturamento nacional da lavoura cafeeira.

Com relação exclusivamente às lavouras dos Cafés do Brasil, se for estabelecido uma correlação do Valor Bruto da Produção (VBP) de todas as lavouras pesquisadas com a receita da produção de café, nos seis principais estados brasileiros produtores dessa cultura, constata-se que Minas Gerais tem um faturamento estimado para essa cultura de R$ 18,5 bilhões, o qual corresponde a 35% do VBP total das suas lavouras, que é de R$ 52,81 bilhões. A seguir vem o Espírito Santo, com uma receita bruta estimada para os cafés de R$ 5,5 bilhões, montante que corresponde a 80,7% do total arrecadado de suas lavouras.

Na sequência vem São Paulo, cujo faturamento está calculado em R$ 3,32 bilhões, cifra que equivale a 5,07% do seu VBP da produção de lavouras. O quarto colocado na produção de cafés no País é o estado da Bahia, que tem uma receita bruta estimada em R$ 1,67 bilhão, a qual corresponde a 5,6% das suas lavouras. Em quinto colocado está Rondônia, que deverá faturar em 2020 a cifra de R$ 915,7 milhões com a cultura do café, receita bruta equivalente a 21,2% do VBP das suas lavouras. Por fim, em sexto lugar, vem o estado do Paraná na produção de cafés, com uma receita calculada em R$ 537 milhões, montante que corresponde a 0,88% do total a ser arrecadado com as suas lavouras. Embrapa Café.

Obtenha informações estratégicas para a melhor decisão de compra e venda de produtos agrícolas em AF News Agrícola

Veja Mais
Café – Balanço Semanal: Após operar em alta boa parte do mês, café tem queda nos últimos dias
Café – Balanço Semanal: Aumento da demanda provoca alta nos preços do café
Café – Balanço Semanal: Com queda no dólar, preço do café recua no Brasil
Café – Balanço Mensal Out/20: Preço do arábica fechou em leve queda, mas café conilon obteve aumentos no último mês
Café – Balanço Semanal: Clima favorece abertura de novas floradas do café arábica

Quer receber as últimas atualizações de Trigo, Milho, Farinhas, Farelos, Soja e do agronegócio em seu e-mail?

Cadastrar





Sobre AF News

A AF News com sede em Curitiba PR, foi idealizada para poder atender as necessidades de empresas e pessoas com informações de mercado e análises. Com responsabilidade, ética e imparcialidade nosso objetivo é promover o questionamento e a divulgação de informações útei...
Continue Lendo