Café - Balanço Semanal: Mesmo com a colheita a vista, preços se fortalecem

  • 14/05/2020
  • 2
  • Categoria(s): Mercado do Café |

Cotação do Café

A colheita de café safra 2020/21 já teve início na região Noroeste do Paraná e Zona da Mata, em Minas Gerais, mas por se tratar de um volume pequeno, ainda não representou reação nos preços do grão que registrou avanços na última semana. A alta nos preços foi associada a alta do dólar que tem operado a patamares recordes no Brasil. Confira:

Café Arábica

A média semanal do preço do café arábica ficou em 583,69/saca entre os dias 04 a 08/05, com aumento de 0,85% ante a média da semana anterior.

O maior índice registrado no mês até o momento, foi sinalizado na sexta-feira (08), onde a cotação fechou a R$ 597,52/saca, representando um ganho de 4,28% na variação mensal.

Nesta semana, os preços estiveram mais retraídos, mas ainda assim, a variação semanal de abertura com o preço de segunda (11) a R$ 591,67/saca, foi 3,11% maior que o registrado na semana anterior.

Ontem (13), as negociações operaram em torno de R$ 583,34/saca no Cepea/Esalq, mantendo uma ligeira queda de 0,08%.

Mesmo com os produtores de café estando mais concentrados na colheita diante da aproximação da safra, o mercado também está registrando um bom volume de negociações, considerando a alta do dólar que está mantendo os preços elevados e a atratividade do grão para exportação.

Algumas regiões, como o Noroeste do Paraná e Zona da Mata (MG), já começaram a colheita de café, mas o volume colhido ainda é baixo, o que ainda não causou nenhuma reação no mercado, que poderia intervir com a disputa de preços menores por conta do aquecimento da oferta.

Café Conilon

Embora os produtores já estejam trabalhando com mais intensidade nas lavouras de café conilon da safra 2020/21, os preços também registraram valorização na última semana.

A média registrada no preço do café conilon entre 04 a 08/05 ficou em 346,94/saca com alta de 3,08% ante a semana anterior.

Nesta segunda (11) o preço do café fechou a R$ 361,18/saca com uma valorização de 5,94% na variação semanal ante a segunda anterior.

Na quarta (13), os índices praticados ficaram em R$ 359,57/saca com pequeno avanço de 0,69% ante o dia anterior.

Por conta do avanço na colheita, os produtores agora tem apresentado maior temor diante da pandemia do Coronavírus, não apenas no impacto econômico, com relação a demanda do produto, mas também, sobre os efeitos provocados nas lavouras, com o risco de contaminação do vírus entre funcionários e também, sobre o receio na falta de mão de obra, já que muitos trabalhadores, podem querer se distanciar da atividade, por medo de se contaminar.

De qualquer modo, diversos cafeicultores já se manifestaram, informando que estão tomando todas as medidas de segurança e higiene necessárias, para garantir o bem estar e saúde dos funcionários.

Café Mercado Externo

No mercado externo do café, as maiores preocupações estão voltadas para a safra brasileira, considerada pela maioria dos agentes como sendo recorde, podendo, na avaliação deles, superar o montante produzido em 2018.

No entanto, não foi esse o motivo que balizou o mercado na última na semana, mas sim, uma conjuntura de fatores que passaram a nortear as atenções dos operadores do mercado do café, como a forte recuperação dos preços do petróleo com alta semanal de quase 30% por barril e, a chegada da primeira frente fria e as previsões de ocorrências de chuvas nas regiões produtoras do Brasil, que deixaram os agentes preocupados, uma vez que podem atrapalhar os trabalhos de colheita nas localidades onde já foi iniciado.

No encerramento da semana, o valor médio dos contratos do arábica negociados na bolsa Ice em Nova Iorque teve uma alta de 3,31%, com o preço passando de US$ 106,30 Cents/lb na semana passada para o valor atual de US$ 109,82 Cents/lb.

Quanto ao café Conilon, as negociações na bolsa Liffe em Londres também finalizaram a semana com valores positivos, assim, a média registrada foi de US$ 1.196,00/t, notabilizando um acréscimo de 1,10% em relação ao período imediatamente anterior.

Conforme noticiado pela Agência Reuters, a Corretora de Commodities Marex Spectron anunciou que o mercado mundial deverá sair de um déficit, ora projetado de 4,3 milhões de sacas de café no ano safra 2019/20, para um superávit de 2,0 milhões de sacas em 2020/2021. A empresa espera que o consumo recue durante a fase de 'monitoramento e adaptação' até que uma vacina (para o coronavírus) seja descoberta.

"Os consumidores finais deixarão de estocar, a recessão vai afetar a renda disponível e as medidas de distanciamento social tornarão o consumo fora de casa menos atrativo", acrescentou Steve Pollard analista de café da Marex Spectron.

Obtenha informações estratégicas para a melhor decisão de compra e venda de produtos agrícolas em AF News Agrícola. 
 

 

Veja Mais
Café – Balanço Semanal: Chuvas trazem alívio ao produtor, porém, liquidez é baixa para arábica e robusta
Café – Balanço Semanal: Preço do café opera com grande volatilidade na primeira quinzena de outubro
Café – Balanço Mensal: Cotação do arábica encerrou com 11% de perdas em setembro
Café – Balanço Semanal: Produção de Café 2020/21 deverá ser elevada no Brasil
Café – Balanço Semanal: Preço do café arábica já acumula 12% de queda no mês de setembro

Quer receber as últimas atualizações de Trigo, Milho, Farinhas, Farelos, Soja e do agronegócio em seu e-mail?

Cadastrar





Sobre AF News

A AF News com sede em Curitiba PR, foi idealizada para poder atender as necessidades de empresas e pessoas com informações de mercado e análises. Com responsabilidade, ética e imparcialidade nosso objetivo é promover o questionamento e a divulgação de informações útei...
Continue Lendo