Destaques da Economia Brasileira e Internacional (de 12/08 a 16/08)

  • 16/08/2019
  • 1
  • Categoria(s): Notícias Agrí­colas |

Notícias agrícolas

O Brasil registrou até o último domingo (11), um superávit de US$ 633 milhões no início de agosto no balanço entre exportações versus importações, os dados foram divulgados na segunda-feira (12) pela Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia (Secint/ME).

Veja Mais
Agricultura de precisão: Onda digital invade o campo para auxiliar na produção
Logística de Transporte: projeto pretende concentrar descarga ferroviária em terminais exclusivos do Porto de Paranaguá
Industria segue retraída e preço, em queda no RS
Privatizações de Estatais: veja a reação do mercado financeiro um dia depois de passar a ‘euforia e a frustração’ pós divulgação da lista
Minuto Farelo

Economia Brasileira

As exportações nesse período, somaram US$ 6,114 bilhões, uma queda de 6,8% em comparação com agosto de 2018. Já as importações, totalizaram US$ 5,480 bilhões, uma queda de 4,1% na mesma comparação.

Até domingo (11), a balança comercial havia registrado um saldo positivo de US$ 29,108 bilhões, no acumulado de 2019. Mesmo com o saldo positivo no acumulado do ano, houve queda de 16,7% na comparação com o mesmo período do ano passado, quando o superávit atingiu US$ 34,958 bilhões.

Em 2018, a balança comercial chegou ao superávit de US$ 58,3 bilhões. Com isso, o saldo positivo, estabelecido principalmente pela exportação de produtos básicos, ficou 13% abaixo do de 2017.

O Banco Central estima um superávit da balança comercial de US$ 46 bilhões para este ano, com exportações em US$ 243 bilhões e importações no valor de US$ 197 bilhões.

A expectativa do mercado financeiro para o fechamento desse ano é de uma nova queda do saldo comercial. Segundo pesquisa realizada pelo Banco Central na semana passada, a previsão para 2019 é de um saldo positivo de US$ 52 bilhões nas transações comerciais do país com o exterior.

Agronegócio

Nesta quarta (14) o Ministério da Agricultura informou que as exportações do agronegócio do Brasil somaram US$ 9,2 bilhões em julho, uma queda de 3,4% comparado mesmo período do ano passado, após redução nos preços de commodities comercializadas pelo país, principalmente, a soja em grão, que no atual momento, está voltando a se valorizar. Confira aqui.

A desvalorização nas cotações da soja, o principal produto de exportação do Brasil, foi o fator mais importante para o recuo das receitas com as vendas em julho. Por outro lado, parte das perdas com a soja foram compensadas pelo milho, que bateu recorde de exportações no mês tanto em volume quanto em valor.

Entre os produtos com destaque na balança de julho, o Ministério também informou que o café registrou alta de mais de 100% nos embarques em meio a uma crise de baixos preços no mercado internacional.

Economia internacional

Durante a quinta-feira (15) ocorreu uma exceção em relação a moeda americana, sendo o mais comum acontecer que a bolsa caia e o dólar suba.  O Ibovespa, principal índice de ações da B3, fechou em queda de 1,20% aos 99.056 pontos, ao passo que o dólar recuou 1,24% para R$ 3,9903 na venda e R$ 3,9878 na compra.

A moeda americana já iniciou o dia em baixa cotação com a notícia de que o banco Central vai vender dólares no mercado a vista. A queda do dólar se intensificou no meio da tarde com a notícia que o banco central do México cortou a taxa básica de juros do país pela primeira vez depois de cinco anos.

O peso argentino também sofreu uma desvalorização nos últimos dias, caiu quase 30% após os resultados das eleições primárias no último domingo, e é natural um movimento de ajuste, segundo economistas.

Essa volatilidade do dólar não só aqui no Brasil, mas em toda a economia global, vem sendo causada principalmente, porque a “Guerra Comercial” dos Estados Unidos e China, está piorando e chegou a um ponto mais crítico ainda agora no mês de agosto, correndo sérios riscos de que possa se tornar também uma guerra cambial.

Por hora, este impasse está sendo bom para o Brasil, em função da maior demanda da China pelos produtos brasileiros, especialmente das commodities agrícolas como a soja. Mas se a economia da China acabar enfraquecendo nos próximos meses, por conta dessa briga das duas potências, há grandes chances do país asiático baixar a sua demanda pelo petróleo e minério de ferro brasileiro.

Obtenha informações estratégicas para a melhor decisão de compra e venda de produtos agrícolas em AF News Agrícola. 

 

Veja Mais
Balanço Semanal de Milho: Milho Brasil e Milho Mercado Externo (04.02)
Soja com ganhos na CBOT, mas preços podem sofrer pressão adicional
Algodão: Balanço semanal, cotação do produto continua em queda
Embarques da nova safra de trigo aquecidos na Argentina
Mercado de milho focado nas condições climáticas dos EUA

Quer receber as últimas atualizações de Trigo, Milho, Farinhas, Farelos, Soja e do agronegócio em seu e-mail?

Cadastrar





Sobre AF News

A AF News com sede em Curitiba PR, foi idealizada para poder atender as necessidades de empresas e pessoas com informações de mercado e análises. Com responsabilidade, ética e imparcialidade nosso objetivo é promover o questionamento e a divulgação de informações útei...
Continue Lendo